Posts Tagged ‘estádio do Sesi

15
fev
10

EXPO-ESTÁDIO, COPA E OLIMPÍADA

Participei durante 3 dias da Expo-Estádio 2009 em São Paulo,entre os dias 17 e 19 de novembro pp, onde conhecí 9 dos 12 escritórios de arquitetura e os projetos dos estádios brasileiros que sediarão a Copa do Mundo da FIFA de 2014.

O Expo Estádio foi lançado com sucesso em 2009, reunindo cerca de 100 expositores de 15 países. O evento preencheu uma lacuna ao prover fornecedores para o mercado de infraestrutura esportiva por meio de uma plataforma que visa estádios e locais esportivos. O Expo Estádio é único no mercado pelo fato de concentrar-se somente em infraestrutura e equipamentos para esportes.

O Brasil é sem dúvida o país com as melhores oportunidades para empresas do setor de infraestrutura esportiva nos próximos anos. Pelo fato de sediar os Jogos Militares Mundiais de 2011, a Copa Mundial de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016, serão realmente enormes os investimentos em construção, tecnologia e equipamentos para instalações esportivas.

Em relação aos projetos de arquitetura dos estádios, não teremos (infelizmente) nenhum ícone comparável aos projetos dos arquitetos suiços Herzog & deMeuron, que deixaram as suas marcas em Beijing com o Estádio Olímpico (Ninho de Pássaro) e em Munique, na Copa da Alemanha, com o Allianz Arena. Tive o prazer de conhecer estes estádios, lembrando que o de Munique serviu de referencia à FIFA para a criação das suas Normas para estádios.

Levantamos esta questão em um dos Foruns e fomos contestados pelo consultor contratado pela FIFA para assessorar a CBF na definição dos projetos. Mas a maioria concordou comigo. Talvez o projeto de Manaus seja o mais arrojado e próximo a ser um ícone. É lindo, feito em parceria com um escritório alemão, que aliás também tem mais parcerias em outros projetos da Copa no Brasil.

Divulgação
Projeto do Vivaldão custará R$ 600 milhões e é um dos mais caros para a Copa

Confesso que depois de muita conversa e discussão, de promessas que o governo federal não irá investir diretamente, de dúvidas para saber o que fazer com os estádios em algumas sedes depois da Copa, etc., saí bastante preocupado com os prazos de execução das obras. Não só dos estádios, mas principalmente da infraestrutura de apoio (transporte, comunicação, hospedagem, treinamento, etc.), pois a representante da ANTT , presente deixou bem claro que “o Governo Federal fará (apenas) o possível, e não o exigido pelas Normas da FIFA”. Projetos de metrô (até para Manaus), trem-bala, existem. Deveríamos aproveitar a oportunidade para que ao menos as cidades-sede possam receber os investimentos de melhoria urbana que todas as cidades brasileiras tanto precisam. A oportunidade, com a Copa e a Olimpíada, é única. E provavelmente  a última.

Aliás, a respeito deste assunto, gostaria de copiar abaixo um artigo recebido no mailing do CONFEA (Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura):

“A Copa 2014 vai melhorar a condição das cidades-sede?” “Saberemos transformar o desafio em oportunidade?”

Como uma tábua de salvação, a Copa 2014 para o Brasil surge como uma oportunidade nunca vista antes para atender às necessidades do país em habitação, alimentação, saneamento básico, saúde, transporte, energia, telecomunicações e segurança.

“É preciso cuidar para que não haja desvios de recursos entre as áreas a serem contempladas com aproximadamente R$ 80bi – gastos previstos para a conclusão das obras nas 12 cidades-sede até 2014. Ou de R$ 110bi, caso o prazo se estenda até 2020”, alerta Arlindo Moura, presidente da Associação Paulista de Empresários de Obras Publicas, que participou do painel Habitação, Desenvolvimento Urbano e Copa 2014, realizado na tarde de hoje (04), último dia da 66ª Soeaa, que movimentou Manaus atraindo profissionais de diversas profissões ligadas à área tecnológica.

“Temos que aproveitar a Copa para que ela deixe um legado para o país”, afirma Moura, preocupado com a execução correta de projetos, construção, reforma e aplicação dos recursos, como os R$ 7bi destinados à adequação dos aeroportos.

Evento midiático que levou um milhão de turistas à Alemanha em 2002, e por partida coloca cerca de 600 milhões de pessoas distribuídas por 240 países em frente aos aparelhos de TV, a Copa 2014 serviu de pano de fundo para a participação da arquiteta Rosana Denaldi, que abriu o painel falando sobre requalificação urbana.

Contundente e objetiva, Rosana elencou números que dão conta de que as favelas e os loteamentos irregulares ocupam 50% da área urbana de Recife, 22% da capital paulista, 20% do Rio de Janeiro, 35% de Salvador e Fortaleza.

Na sequência, vinculou essa realidade à violência, ao agravamento da questão ambiental e baixa qualidade de vida e apontou Curitiba como exemplo de que cidade planejada não garante ausência de favelas e lotes irregulares.

Permeadas de contrastes, as cidades brasileiras no período de 50 anos – 1950 a 2000 – tiveram suas populações aumentadas de 36% a 80%. Na Região Metropolitana de São Paulo moram 17% da população brasileira e junto com o Rio de Janeiro apresentam um déficit habitacional de 80%. “O contraste dessa realidade é o alto índice de imóveis vazios: na capital paulista são 515 mil e na fluminense, 266 mil”, informou a arquiteta.

Também preocupada com o tipo de legado a ser deixado pela Copa 2014 nas cidades-sede, Rosana citou Caio Prado, reafirmando que “essa situação dos centros urbanos não decorre do desenvolvimento acelerado e desordenado, e sim da condição de subdesenvolvimento do país”.

Maria Helena de Carvalho
Assessoria de Comunicação do Confea

T

Tem tudo a ver este comentário, até porque foi novamente uma voz que confirmou o que já falei em outro artigo aqui publicado….

“essa situação dos centros urbanos não decorre do desenvolvimento acelerado e desordenado, e sim da condição de subdesenvolvimento do país”.

Ou, como disse J.R.Guzzo: “…a questão ecológica real, no Brasil, chama-se pobreza”.

24
jan
10

Estádio do Sesi – parte 2 – 2010

Pois é, de volta em 2010. E os assuntos continuam sempre os mesmos…a grande noticia é o lançamento da campanha do presidente da FIESC em conjunto com o vice-prefeito de Blumenau para arregimentar (?) recursos para o início e viabilização das obras do nosso projeto.

Como sempre, a minha referencia (única) é a coluna do Cláudio Holzer no Santa, como abaixo.

Literalmente “a esperança está no ar”, ou seja, mesmo os mais contrários estão a cada dia se convencendo que esta é a melhor, mais econômica , mais rápida e viável solução para um estádio decente em Blumenau. À altura das tradições (apenas) da cidade. Planejado e construído em etapas. Como nós blumenauenses podemos fazer com bastante qualidade, desde que efetivamente queiramos!

Jornal de Santa Catarina

(publicado no JSC de 20 de janeiro de 2010)

29
ago
09

ESTÁDIO DO SESI

Novamente com um intervalo enorme, vou fazer um post . É que este assunto de blog é muito bom e legal, pois pode-se falar aberta e francamente, inclusive dando o direito de qualquer um não concordar e até responder. Mas como não frequento e nem circulo em outros blogs, acabo falando sozinho. Como tenho estado muito ocupado profissionalmente, realmente estou sem tempo para me dedicar.

Mas não posso deixar de falar hoje deste assunto, que aparentemente está iniciando um caminho correto. Depois de 2 anos desde o inicio do projeto e mais de um ano depois da sua entrega, finalmente leio na mídia que está havendo uma mobilização favorável na cidade. Acib, CDL, Ricardo Stodieck e Secretário Estadual de Turismo são nominalmente citados pelo colunista Cláudio Holzer na edição de ontem do Jornal de Santa Catarina como apoiadores.

Na verdade sempre lutei por isto, mesmo sabendo das dificuldades e da diversidade de opiniões, ou como diz o Cláudio na coluna dele, “ciume de homem”.

Renasce a esperança. A cidade precisa e merece de algo que a motive e a retire desta letargia, sendo visivelmente ultrapassada pelos vizinhos menores, como Itajaí e Jaraguá do Sul, sem falar de Joinville, que está a anos-luz de nós.

Não preciso descrever mais o assunto. A matéria abaixo explica. Aproveito para anexar imagens das várias tentativas públicas que fiz para que o assunto não fosse esquecido. Vamos torcer – literalmente – pelo time da Cidade de Blumenau e, abandonar a idéia estúpida e absurda de “brigar” por tres estádios – Municipal, do Metropolitano e do Sesi. Na verdade, a ampliação do estádio do Sesi é – descaradamente – a opção mais viável, porque já existe o terreno e toda a infraestrutura interna, o que reduzirá no mínimo em 30% o valor total do investimento. A infraestrutura urbana não é adequada hoje – aliás em nenhum lugar da cidade – mas o seu planejamneto existe e a sua execução é amplamente viável.

Além da matéria da mídia, dos últimos anos sobre o assunto, aproveito e coloco algumas imagens, inclusive internas, de como será o estádio.

Finalizando o meu comentário, vale ressaltar que fizemos alguns estudos para o Sesi e confirmamos que a execução da ampliação pode ser feita em etapas independentes, numa 1a. fase para cerca de 20 mil espectadores, depois para 30 mil e, no futuro, eventualmente para 40 mil espectadores. Sentados e cobertos, com todo o conforto dos estádios internacionais e de acordo com as solicitações da FIFA.

Ressalte-se o empenho pessoal do presidente da Federação das Indústrias do Estado, Alcântaro Correia, neste projeto. Desde a apresentação em 12 de março de 2008 no salão nobre da Prefeitura Municipal de Blumenau.

JSC - 28.8.2009

Abaixo a imagem colorida do filme que a A+C Arquitetura fez na ocasião da entrega do projeto e que serviu de base à foto acima do Jandyr Nascimento e que está no Youtube e no site da A+C.

site www.amaiscearquitetura.com.br

 JSC 11.6.2009 SESI - JSC14.06.2007  HÁ 30 ANOS!  JSC 05.06.2008

JSC 280808  JSC 280808_editado

A MINHA RELAÇÃO COM ESTÁDIOS COMEÇOU AOS 11 ANOS DE IDADE, NO MARACANÃ!
A MINHA RELAÇÃO COM ESTÁDIOS COMEÇOU AOS 12ANOS DE IDADE, NO MARACANÃ!

A MINHA RELAÇÃO COM ESTÁDIOS COMEÇOU AOS 12ANOS DE IDADE, NO MARACANÃ! EM 1961 – MOLEQUE ACIMA

 imagens 061008b   imagens 061008g

 

imagens 061008h  imagens internas4
imagens 061008i



Perfil do autor

Arquiteto e Urbanista graduado no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Paraná em 1970, quando ainda não existia a Arquitetura na Federal de Santa Catarina. Em 1971 trabalhei em São Paulo e exerço a profissão desde 1972 em Blumenau, inicialmente como autônomo. Entre 1974 e 1990 como sócio da Lindner Herwig Shimizu Arquitetos e atualmente como sócio-diretor da A + C Arquitetura. Gosto da boa arquitetura e me preocupo com a questão urbana e com o desenvolvimento social e econômico da cidade de Blumenau e do Vale do Itajaí nas próximas décadas, sem perder a sua identidade paisagística e cultural e os valores morais e éticos.
O meu grande desafio como arquiteto é viabilizar a edificação dos projetos para que estes não se transformem em meras idéias de arquitetura.

Data dos posts

janeiro 2020
S T Q Q S S D
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Blog Stats

  • 18.239 hits