Archive for the 'arquitetura' Category

15
jul
12

VERTICALIZAÇÃO URBANA

VERTICALIZAÇÃO URBANA

A construção de um edificio no Bairro Bom Retiro reacende a discussão sobre a verticalização urbana e provoca reações em sua grande maioria contrárias, destacando-se um excelente artigo da arquiteta Angelina Wittmann publicado no Santa em  21.04.12.

Sem discutir se os ônibus que visitam o bairro procuram ver um autentico ambiente europeu  preservado ou se querem comprar camisetas em loja de fábrica, gostaria de dizer que não concordo com a sua verticalização, pois destruirá a belíssima paisagem urbana construída naturalmente pela cidade e que abrange uma série de elementos sociais e culturais.

Defendo desde 2005 que a verticalização urbana sem limite de altura é uma solução e não um problema, pois permite reduzir custos de abastecimento de água, esgoto, drenagem, energia elétrica, comunicação, atendimento hospitalar, educacional, transporte e segurança. Criando um modelo de ocupação “lote quadra”, em que vários pequenos lotes são comprados e unificados, constituindo-se uma área maior que é ocupada por altas torres de apartamentos cercadas por espaços livres. Como diz o prof. Edward Glaeser (Harvard), “não há lugar melhor para se viver do que em uma grande cidade, pois é justamente em ambientes de grandes aglomerações que os mais variados talentos podem conviver e aprender entre sí…, aumentando as chances de ganhar mais e ter acesso ao que há de mais avançado”.

Infelizmente está havendo um desvirtuamento do que foi incluído na última revisão do Plano Diretor, pois falta critério na análise da taxa de ocupação do solo e na preservação da paisagem urbana. A  lógica é muito simples – quanto mais alto o edifício, mais baixa a ocupação do terreno. Permito-me até sugerir – altura livre mas ocupação máxima de 20 ou 25% . Evitaremos mudanças de insolação e arejamento, impermeabilização dos pisos dificultando a absorção de água, sobrecarga na rede viária, de esgoto e de água, alterações no micro-clima e falta de privacidade pela proximidade das edificações.

O que está acontecendo em dois exemplos recentes – Bom Retiro e Ponta Aguda – será uma modificação rígida na nossa paisagem urbana. Lamentável, pois será irreversível!

 

Anúncios
25
jun
11

Arquitetura enxaimel em Blumenau?

Já escreví artigo e emití a minha opinião várias vezes, mas este artigo publicado no Jornal de Santa Catarina em 11 de junho de 2011 pela professora Maria Terezinha Heimann é a melhor matéria que já lí a respeito.

Por isso tomo a liberdade de reproduzir abaixo o texto integral, parabenizando a autora pela clareza e simplicidade:

JSC – 11/06/2011 | N° 12277

ARTIGO

Arquitetura em Blumenau

 

Li nos últimos dias, no Santa, manifestações a respeito do projeto arquitetônico da ampliação do Arquivo Histórico de Blumenau, colocando que o mesmo deveria seguir a linha de algumas construções típicas da cidade e deixando claro que assim estaríamos preservando a arquitetura alemã. Quero parabenizá-los pela preocupação com a preservação do enxaimel da cidade, porém, quero acreditar que se fala do enxaimel autêntico, aquele ainda preservado em nossa arquitetura antiga, e não nos falsos enxaimeis que nada acrescentam à história da colonização alemã.

A carta de Atenas, de 1933, apresentada no Congresso Internacional de Arquitetura Moderna, ao se referir à vida de uma cidade, fala da arquitetura como um acontecimento contínuo, que se manifesta ao longo dos séculos e surge de obras materiais, traçados ou construções que lhes garantem personalidade própria e que pouco a pouco serão respeitadas como valor histórico. Preocupava a destruição dos verdadeiros valores arquitetônicos, pois, com o crescimento, passou-se a usar estilos do passado sob pretexto estético.

Tais métodos são contrários à grande lição da história. As obras-primas do passado mostram que cada geração teve sua maneira de viver e pensar, suas convicções sociais, políticas e estéticas, recorrendo a elas como um trampolim para sua criação imaginária com os recursos oferecidos na época. Assim, copiar o passado é condenar-se à mentira, ao falso, pois as antigas condições de trabalho não podem ser reconstituídas. A aplicação da técnica moderna a um ideal ultrapassado leva a um simulacro desprovido de qualquer vida. E nos faz desacreditar do autêntico, o qual devemos nos empenhar em preservar.

Por isso, reafirmamos a importância de suas colocações e destacamos que o projeto de ampliação do Arquivo Histórico de Blumenau foi bastante discutido pela equipe de arquitetos e pela Associação do Amigos do Arquivo Histórico, e, com certeza, será um marco na preservação adequada da memória cultural da região.

MARIA TERESINHA HEIMANN|Presidente do Instituto de Artes Integradas de Blumenau

03
abr
10

ESTILOS EM ARQUITETURA ?

“Pois bem, não existem estilos. Mas existe arquitetura. De cada época da vida humana, há milhares de anos.O que a História e o povo depois chama de estilo na verdade é como a vida da gente. Vivemos exatamente – a cada dia e a cada hora – o momento presente. Isto é a nossa Vida. Nem o que aconteceu ou poderíamos ter feito no passado e nem o que irá acontecer ou faremos no futuro. O passado serve para lembrar das coisas boas que fizemos e o futuro serve apenas para sonhar.

Entendo assim a Arquitetura. Arte de planejar espaços, com a tecnologia atual. Para a Vida do Ser Humano – morar, trabalhar, ter lazer, educar os filhos, se locomover.”

Escreví este texto que foi publicado no Jornal de Santa Catarina em 11 de junho de 2008  e o coloquei  no meu blog em no dia 24 de julho de 2008 – https://blogdolindner.wordpress.com/2008/07/24/nao-existem-estilos-existe-arquitetura/ .

Há alguns dias recebí uma mensagem do colega arquiteto João Noll, professor na FURB e participante de um “mailing” comum do IAB Blumenau. Muito interessante, pois ilustra de uma forma simples e clara o que quís dizer com aquele texto publicado anteriormente.

Vale a pena ver. É simples, direto e….hilário. Outra comparação eficiente seria com os automóveis, não é? pois ninguém compra um veículo antigo, a não ser que tenha muito dinheiro e o deixe parado na garage! utilizando um com tecnologia e design atual para a sua locomoção.

15
fev
10

Mais um grande arquiteto – Sidonio Porto

O arquiteto Sidonio Porto, em entrevista à última edição da Revista Projeto (no. 360 – fevereiro 2010) fala de sua vida profissional. São 45 anos de atividade. Sidonio é conhecido há muito tempo como excelente arquiteto (premiado inúmeras vezes) e amigo meu desde agosto de 2008 quando viajamos juntos – com mais arquitetos e diretores da Giroflex – à África do Sul.

Aliás, foi uma viagem maravilhosa, por tudo o que se viu e também por tudo o que o grupo de cerca de 20 pessoas vivenciou na convivencia diária durante mais de dez dias. Sidonio e a sua esposa são maravilhosos, assim como todo o grupo, que até hoje se comunica de vez em quando.

Pois bem, chamou-me a atenção nesta entrevista – entre inúmeras curiosidades da sua vida profissional – o comentário a respeito da questão dos honorários dos arquitetos na atualidade. Já me referí a este assunto no meu blog há bastante tempo e fiquei em parte surpreso com o que o Sidonio relatou na entrevista:

Pois é, estamos no fundo do poço em relação aos honorários. Eu ainda diria que estamos na crista da onda em relação às exigencias e cobranças de qualidade. Normalmente são nos exigidos ítens além dos previstos em contrato e, muito grave, estes ítens acabam sendo “motivos/argumentos”para se atrasar e até deixar de pagar os-já-baixos valores contratados.

Durante a viagem e as conversas com Sidonio, ele me surpreendeu dizendo que todos os grandes escritórios de arquitetura de São Paulo e do país necessitam, e tem, cada vez mais, advogados e departamentos jurídicos para elaborarem contratos seguros. É lamentável, mas é a realidade. Preciso pensar nisto imediatamente, apesar de eu ter em 90% dos casos um relacionamento excelente com os meus clientes.

Obrigado Sidonio, pela entrevista. Sempre aprendemos mais.

24
jan
10

Estádio do Sesi – parte 2 – 2010

Pois é, de volta em 2010. E os assuntos continuam sempre os mesmos…a grande noticia é o lançamento da campanha do presidente da FIESC em conjunto com o vice-prefeito de Blumenau para arregimentar (?) recursos para o início e viabilização das obras do nosso projeto.

Como sempre, a minha referencia (única) é a coluna do Cláudio Holzer no Santa, como abaixo.

Literalmente “a esperança está no ar”, ou seja, mesmo os mais contrários estão a cada dia se convencendo que esta é a melhor, mais econômica , mais rápida e viável solução para um estádio decente em Blumenau. À altura das tradições (apenas) da cidade. Planejado e construído em etapas. Como nós blumenauenses podemos fazer com bastante qualidade, desde que efetivamente queiramos!

Jornal de Santa Catarina

(publicado no JSC de 20 de janeiro de 2010)

20
jun
09

SOBRE O ESTÁDIO DE BLUMENAU

Esta série de artigos está criando uma nomenclatura – mesmo que sem esta intenção!     SOBRE…..algo importante e, na minha opinião, esclarecedor.

Desta vez foi SOBRE O ESTÁDIO DE BLUMENAU.

No dia 11 de junho de 2009, o Jornal de Santa Catarina publicou comentário sobre o Estádio do Sesi, e motivou-me a escrever o artigo abaixo, publicado à página 2 do dia 16 de junho pp.

digitalizar0001asobre o estádio de blumenau

11
jan
09

A (BOA) OPINIÃO DE UM ARQUITETO FAMOSO

Na mais recente edição da revista Isto É, o Terra mostrou uma entrevista com o arquiteto paulistano Isay Weinfeld que achei muito interessante.

Em dezembro passado comprei o seu livro, belíssimo, onde mostra alguns dos seus projetos.

Gostei da entrevista. Em parte pela sua coragem e honestidade, sem mêdo da polêmica e, em parte pelas suas idéias extremamente coerentes e válidas.

Vejam abaixo.

Entrevista Isay Weinfeld
“A postura dos ricos me envergonha”
O arquiteto critica a elite nacional, diz que nunca teve Oscar Niemeyer como referência e conta por que é seletivo nos projetos

por Claudia Jordão

O paulistano Isay Weinfeld, 56 anos, é o arquiteto mais badalado do momento no País. Eclético, levam a assinatura dele os sofisticados hotéis Fasano do Rio de Janeiro e São Paulo, restaurantes do grupo, duas filiais da Livraria da Vila e a loja da Forum nos Jardins, todas na capital paulista, entre outros projetos. Mas, ao mesmo tempo que é assediado pela elite (ele projetou a casa do empresário Fernando Altério e do cineasta Hector Babenco), faz a linha low profile. Dá de ombros para as concorridas licitações internacionais para grandes obras e prefere investir em suas caixas de ângulos retos, que se abrem de fora a fora para revelar um amplo jardim – preceito que aparece nos trabalhos de Le Corbusier e no modernismo.

Enquanto toca cerca de 30 projetos, no Brasil e lá fora, lança o livro Isay Weinfeld (Bei Editora), que reúne 15 projetos residenciais realizados nos últimos dez anos. Filho de um imigrante polonês, separado e pai de uma filha, mora sozinho em um apartamento em São Paulo. Isay é um apaixonado por cinema – ele já dirigiu 14 curtas e o longa Fogo e paixão, de 1988 – e música (é fã do Radiohead). Sempre que pode, viaja para algum canto do planeta para assistir aos shows da banda, que se apresenta em março no País com a presença garantida dele, é claro.

ISTOÉO sr. faz casas, edifícios, lojas, hotéis, boates. Seu novo livro privilegia as residências por algum motivo especial?
Isay Weinfeld – Foi a maneira que encontrei de mostrar bem os projetos. Temos as plantas e várias fotos. São só 15 casas, realizadas nos últimos dez anos. Não que eu tenha muito mais; devo ter mais outras dez casas, mas quis mostrar direito, e eventualmente ter outro volume para trabalhos comerciais.

i864901

i864911

“No Hotel Fasano, conseguimos mostrar que é possível ser luxuoso sem ostentar. Não precisa ter dourado e rococó”

ISTOÉO sr. é conhecido como um arquiteto que escolhe com quem trabalhar. O que o pauta na hora de pegar ou não um projeto?
Weinfeld – Em primeiro lugar, tenho interesse em fazer o que me dá prazer. De preferência, algo que eu não tenha feito antes, é isso que me move, por causa da minha exagerada curiosidade. Prefiro pegar um projeto completamente novo a um parecido com o que acabei de fazer.

ISTOÉ Por exemplo?
Weinfeld – Depois da Disco (boate em São Paulo), vieram outras propostas de projetos de casas noturnas. Recusei porque não quis fazer, para não me repetir. É como se, naquele momento, eu tivesse dito tudo sobre o tema discoteca pelo viés da arquitetura. Então vamos deixar passar um tempo para, quem sabe, eu ter vontade de falar sobre o tema de novo.

ISTOÉIdentificar-se com o cliente é fundamental?
Weinfeld – Depois do Fasano, tive várias propostas para fazer restaurante. Não é frescura, eu sou antitudo isso. Mas, por exemplo, se não gosto da comida, não consigo fazer o lugar. Não é porque sou metido ou arrogante, é que não vou saber fazer. Se não gosto da comida, isso quer dizer, de cara, que não tenho muito a ver com aquele proprietário. Com um cliente que tem um gosto compatível com o meu, como o (restauranteur) Rogério Fasano, não preciso me preocupar. Ou seja, se eu não escolher o copo da (lanchonete) Forneria, ele vai escolher o copo certo. Penso o projeto do início ao fim: o ambiente, a decoração, os objetos. Como sou macaco velho, não pego projeto por pegar. É preciso agradar ao cliente e a mim.

ISTOÉ O que sente quando um projeto seu é alterado pelo cliente depois de entregue?
Weinfeld – Você tocou em um pontochave do meu trabalho. Inclusive acho que difere um pouco do pensamento geral dos outros profissionais dessa área. Primeiro, se a minha obra não permanecer, não faz a mínima diferença para mim. Se ela for modificada, não significa nada. Se ela for destruída, menos ainda. Não tenho preocupação com esse tipo de coisa. Segundo, acho um absurdo quando ouço arquitetos falarem que o cliente estragou sua obra. Isso é inconcebível de ouvir. Primeiro, porque se escolho os trabalhos que pego, o cliente jamais estragará. É óbvio, o gosto dele bate com o meu. Por isso, nunca comprei uma briga com um cliente. O arquiteto acha que tem que fazer o que quer, do jeito dele. Tenho de fazer o que meu cliente quer do meu jeito, sob o meu olhar.

ISTOÉ O sr. critica o luxo que ostenta. É difícil trabalhar no Brasil?
Weinfeld – Não sei falar se é difícil, mas aqui não é muito diferente do Exterior. Meus clientes não valorizam a ostentação. Por isso, não tenho problema com isso. Mas entendo o que você está falando. Por outro lado, acho que essa é uma das minhas funções. Acho que no Hotel Fasano conseguimos mostrar que é possível ser luxuoso sem ostentar. Para mim, foi muito importante mostrar para uma turma que frequenta o luxo que não é preciso ter dourado e rococó e tudo o mais para ser requintado. Pode ser mais elegante e simples.

ISTOÉO que pensa do gosto da elite nacional em geral?
Weinfeld – É só observar a arquitetura de São Paulo para perceber que as pessoas precisam de certos símbolos para se sentir ricas, poderosas. Elas precisam morar no edifício Champs- Elysées, precisa ter port cocher. O edifício não pode chamar Panorama, tem que chamar Champs-Elysées. Não pode ter uma entrada de automóvel, tem que ter uma port cocher. Boa parte da elite precisa desses símbolos para sentir que é alguém na vida. É uma característica fortíssima das pessoas que têm dinheiro no Brasil.

ISTOÉO que mais o incomoda?
Weinfeld – O que me incomoda muito é a postura e os valores dos ricos brasileiros em geral, até me envergonham. Quando vejo – e vejo sempre – pessoas em carros de luxo jogando maço de cigarro pela janela. Se você quiser me ver doente é me colocar em frente a uma coisa dessas. Parece que o que está fora daquele automóvel não importa. É que ele considera que não é dele. Quando vejo alguém em um restaurante de luxo sem falar “por favor”, nem “muito obrigado”, sem pedir licença. Quando estou no meio dessas pessoas, fico muito envergonhado com o baixo nível de educação e dos valores delas.

ISTOÉ Qual a cidade mais bonita e a mais cafona no mundo?
Weinfeld – A mais cafona… não sei dizer… A mais bonita é Paris. Mas a que eu mais gosto é Londres, acho incrível a mistura de centro urbano com cidade do interior. Já Veneza é a cidade mais interessante porque é a mais rica espacialmente. Ela surpreende a cada virada de esquina. Você pode dar de cara com a gigantesca Piazza San Marco ou com uma charmosa ruela. Veneza é a mais rica emocionalmente. Ela é exatamente o oposto de Brasília, que não tem esquina.

ISTOÉ O que acha do trabalho de Oscar Niemeyer?
Weinfeld – O Niemeyer nunca foi uma referência para mim como arquiteto. Mas o considero maravilhoso, sem dúvida. Ele é um artista único, um grande escultor de formas. Acho que ninguém mais vai chegar lá, não há um segmento, não há uma escola.

ISTOÉ O que gosta do que está sendo feito na arquitetura atual?
Weinfeld – Apesar de não ser uma referência para o meu trabalho, gosto (dos projetos do arquiteto japonês Yoshio) Taniguchi. Ele faz uma arquitetura muito mais silenciosa do que essa que está sendo feita hoje no mundo, que é uma arquitetura que fala alto, grita, berra. Há muitos arquitetos que têm o ego maior que a função do edifício que projetam. As obras mais simples são muito mais fortes na minha opinião.

ISTOÉQuais são suas principais fontes de inspiração?
Weinfeld – Muito mais que qualquer obra arquitetônica, é o cinema e a música. Depois que o projeto da Disco ficou pronto, estava ouvindo uma música do Radiohead quando enxerguei uma semelhança entre meu projeto e aquela sonoridade. A Disco era uma discoteca toda negra, mas tinha alguns elementos multicoloridos. Na entrada, tinha um corredor com pastilhas de vidro. Lá dentro, havia um painel de fios dos irmãos Campana e, no banheiro, umas cubas multicoloridas. A música Motion Picture Soundtrack, do Radiohead, era isso, ela começa inteirinha negra e depois se abre para uma explosão de cores. Como sou muito ligado na música deles, vi essa semelhança. São coisas assim que me inspiram.

ISTOÉÀs vezes o sr. parece ter uma preferência maior pela música ou pelo cinema. Há alguma frustração em não ter seguido outra carreira?
Weinfeld – Não se trata de frustração, mas de desejo. Não me considero realmente um arquiteto. A arquitetura é apenas uma maneira de eu me expressar. Mas, se você não levar isso como uma frase arrogante, tenho certeza de que se eu tivesse continuado com a minha carreira no cinema você estaria aqui da mesma forma. Não estou falando de sucesso, apenas querendo dizer que estaria no mesmo patamar da arquitetura hoje. Eu escolhi um jeito. Além disso, gosto de exercitar esses meus outros lados, como fazer um curta-metragem ou um cenário de peça. Isso me dá muito prazer.

ISTOÉO projeto da casa onde o sr. mora é seu?
Weinfeld – Não, moro em um apartamento.

ISTOÉ Já projetou alguma casa para o sr. ou para sua família?
Weinfeld – Não.

ISTOÉNunca teve vontade?
Weinfeld – Não, nunca tive a mínima vontade.

ISTOÉ Por quê?
Weinfeld – Nunca tive a mínima vontade de morar em um lugar que eu tenha projetado. Esse tipo de coisa eu não tenho.




Perfil do autor

Arquiteto e Urbanista graduado no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Paraná em 1970, quando ainda não existia a Arquitetura na Federal de Santa Catarina. Em 1971 trabalhei em São Paulo e exerço a profissão desde 1972 em Blumenau, inicialmente como autônomo. Entre 1974 e 1990 como sócio da Lindner Herwig Shimizu Arquitetos e atualmente como sócio-diretor da A + C Arquitetura. Gosto da boa arquitetura e me preocupo com a questão urbana e com o desenvolvimento social e econômico da cidade de Blumenau e do Vale do Itajaí nas próximas décadas, sem perder a sua identidade paisagística e cultural e os valores morais e éticos.
O meu grande desafio como arquiteto é viabilizar a edificação dos projetos para que estes não se transformem em meras idéias de arquitetura.

Data dos posts

novembro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Blog Stats

  • 16,997 hits